Disciplina: CAP5611
Curadoria e Outras Formas de Mediação Crítica no Sistema da Arte
PPG – Ciência da Informação
ECA/USP
2o. semestre 2011
Docente: Martin Grossmann
Aluna: Gabriela Previdello Orth

A curadoria na contemporaneidade sob a perspectiva de suas relações: análise crítica da obra “A brief history of curating” de Hans Ulrich Obrist.

 
Era um momento de grande intensidade e liberdade, onde você poderia tanto produzir uma obra quanto imaginá-la .

O título do livro: “A brief history of curating” de Hans Ulrich Obrist pode levar a equivocada impressão de se tratar de um material de estrutura cronológica, linear e sintético da história da curadoria de meados do séc. XX até o início do séc. XXI. No entanto, seguir pela leitura da compilação de entrevistas feita pelo autor e atentar-se ao modo como ele as conduz, apresenta claramente que tanto na formação do curador, quanto na diacronia da curadoria, não há uma única regra metodológica. Obrist, no contexto das entrevistas, expõe que são inúmeras as possibilidades de referenciais e processos que introduzem o curador em seu contexto de relações. A formação de cada um destes mediadores interfere diretamente em seus diálogos com o meio e em suas práticas de exibição. As entrevistas, portanto, apresentam idéias que são a chave para a compreensão da museologia contemporânea.

Este universo de impressões autobiográficas traduz conceitos que devem ser destacados para as práticas da área, e acabam por pontuar eixos em comum entre os curadores entrevistados. O aprofundamento discursivo que cada um deles faz em sua própria trajetória, oferece sentido à noção de curadoria como prática mediadora das artes contemporâneas. As entrevistas exprimem a ligação direta entre o trabalho dos curadores com os artistas, dos curadores com as instituições, dos curadores com o público; mostrando que as diretrizes curatoriais e seus processos, conduzem a um entendimento específico da ambiência das artes na atualidade.

A noção interdisciplinar (ou indisciplinar?) é recorrente na maioria das entrevistas; muitos dos entrevistados não têm formação em artes plásticas ou história da arte, mas certamente em algum momento de sua trajetória inicial, são apresentados às áreas. Acabam por imprimir nas artes (ou contaminar-se), de uma produção baseada na diversidade de suportes e poéticas. Historicamente situados na contracultura dos anos 60, estes depoimentos mostram a influência direta que os curadores têm na obra de arte como objeto material, envolvendo-se efetivamente na produção artística.

A ambientação da exposição e suas relações com a instituição são abordadas tanto no discurso de curadores quanto nas poéticas dos trabalhos descritos por eles. O artista, com o apoio da curadoria, inicia sua independência das noções tradicionais de museu e mercado de arte, abandonando estes conceitos mais como idéias do que efetivamente como prática. Este movimento, portanto, incita uma nova postura por parte das instituições, fazendo com estas revejam suas relações com os artistas e com o público.

Instituições tornam-se desconectadas dos artistas. Elas celebram a si mesmas e a seus patronos. Sua função primordial, de transformar uma obra em obra de arte, tornou-se obsoleta.

A obra de Obrist trabalha com a idéia de que o conceito de mediação e o percurso da arte contemporânea influenciam-se mutuamente. Como documento, é um importante trabalho que preenche a lacuna de informações sobre o tema.

A fim de ilustrar a imensidade referencial que as entrevistas oferecem, a conclusão desta crítica dá-se através da visualização de dados coletados no livro, com o intuito de mostrar as relações dos curadores entrevistados com lugares, artistas, museus. A visualização está disponível no link: http://www-958.ibm.com/software/data/cognos/manyeyes/visualizations/curadores_analise-de-dados-do-livr e é uma análise dinâmica destas informações (até o momento foram indexadas entrevistas de três curadores: Harald Szeemann, Walter Hopps, Walter Zanini). Ela expõe a amplitude do trabalho de mediação na arte contemporânea e a importância da contextualização na prática curatorial.

 
 
Todas as citações desta análise crítica foram selecionadas do livro: Obrist, H. A brief history of curating. Dijon Les Presses du Réel, 2008, e traduzidas pela autora.